quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Prosa poetica

Onde eu toco viro ouro
E assim primeiro me tornei rico
E só assim me tornei desejado

Assim eu me tornei poderoso
Meus inimigos eram estatuas de ouro 
E da inveja dourada fui ficando luxorioso

Muitas mulheres eu tinha em posse
e fui possuido por muitas 
E sempre que possuo elas viram ouro

Teve um mulher que me amou
E dela eu realmente amei
Queria tocar no seu rosto e sentir seu beijo
Mas eu não quero que meu amor vire ouro 
E assim eu a amei em silencio

Eu tinha tudo e não era feliz
Eu tinha tudo, mas não quem eu amava
Nesta tempestade meu amor estava muito doente

E aquela noite ela morreria
E no desesperos e cheio de medo
E a peguei e apaixonado a beijei

Ao toque dos labios eu juro que amei
E seu corpo o mais cintilante estatua de ouro virou
Meu amor para mim eternizou

E ao beija-la doente fiquei
Os amigos de farra eu nunca vi
As mulheres em outra cama ficou
E quem me amava estatua de ouro virou
Morrendo ao leito de morte antes do ultimo supiro gritei
Porque a gente é assim?

2 comentários: